Hablemos de alheiras... de las buenas

Gastronomía portuguesa, de la Eurorregión. Se producen en no pocos lugares del Norte, pero hay quien cree que Mirandela es la cuna... Hablemos de alheiras, con el auxilio de "Fumeiro Vidinhas" que elabora alheiras extraordinariamente buenas y nos cuenta esta historia...

Para um transmontano a alheira ou se come no campo, com um "cibo" de pão, ou se come em casa acompanhada por uns grelos e batatas cozidas, regados abundantemente com azeite.
Para os transmontanos é um SACRILÉGIO, UM CRIME DE LESA PÁTRIA, servir uma alheira com arroz e batata frita. Em tempos não muito longínquos, pendurava-se um homem num Freixo por menos, ou davase-lhe umas boas "jasteiradas no lombo" (es un decir, claro está).
A acidez acre do grelo ajuda a "cortar" a gordura da alheira, que se misturando com a suavidade e adocicado da batata, e os sabores característicos da alheira, transformam o conjunto num festival de sabores das montanhas, onde a vida é agre e doce, onde o reino maravilhoso nos dá 9 meses de inverno e 3 de inferno, onde Torga, Trindade Coelho entre outros, forjaram o seu carácter e escreveram as suas histórias, muitas vezes, e com alguma sorte, se saciavam com tão distinto prato.
A alheira é uma fonte de riqueza, é a rainha da região de Tras-Os-Montes, e deve ser divulgada e consumida, mas sempre de forma a que o prato em si engrandeça a "estrela" da refeição e não a desvirtue e passe para segundo plano. O azeite convém ser um AZEITE DE TRÁS OS MONTES mas cabe a cada um escolher o que mais gosta, na certeza que o "nosso" é sempre o melhor do mundo! E acompanhado por um copo de tinto da região, caseiro de preferência.
Uma boa semana 
Foto de Lídia Brás