BREAKING NEWS
latest

468x60

header-ad

Valença do Minho quiere endurecimiento a mayores de las medidas restrictivas anti-Covid

"RIAS BAIXAS TRIBUNA" es una web que funciona sin ánimo de lucro alguno. Es de agradecer el interés que muestras por esta opción...

Valença do Minho no se conforma con las medidas dictadas por el Gobierno portugués en el pasado fin de semana. El presidente de la Câmara Municipal valenciana quiere mayor precisión de las medidas restrictivas e incluso alargamiento de días no lectivos en los centros docentes, para así poder hacer frente con más garantías a la propagación del Covid.

O presidente da Câmara de Valença disse à agencia Lusa que vai pedir à Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares o alargamento da interrupção das aulas presenciais entre os dois feriados de dezembro para tentar travar a transmissão de covid-19.
“Queremos a suspensão das aulas presenciais nos três dias que medeiam as duas pontes decretadas pelo Governo (dias 02,03 e 04 de dezembro). Em vez da suspensão ser de oito dias, defendemos um aumento para 11 dias. A ver se conseguimos quebrar a cadeia de transmissão do vírus”, afirmou Manuel Lopes 
O autarca explicou que aquela medida foi abordada, numa reunião da comissão municipal de proteção civil, onde o município decidiu a suspensão temporária das feiras e mercados “enquanto o concelho se mantiver no nível vermelho de propagação da doença”.
“As medidas que dependem da autarquia foram tomadas, mas há outras que dependem dos nossos parceiros. No que diz respeito à suspensão das atividades letivas depende de autorização da DGEST e, nesse caso, iremos encetar conversações para chegarmos a um bom entendimento”, explicou Manuel Lopes.

O autarca social-democrata adiantou ter sido decidido pedir “fiscalização mais apertada” para o setor da restauração, para funcionar apenas em regime de ‘take-away’ e para os cafés, “para que as pessoas cumpram as medidas a que estão obrigadas pela Direção Geral da Saúde (DGS)”.
Segundo Manuel Lopes, “na última listagem divulgada pelas autoridades de saúde estavam registadas no concelho 144 casos ativos de covid-19”.
“Essa também foi uma reivindicação que fizemos na reunião de hoje. Que os presidentes de Câmara tenham acesso direto à listagem das pessoas que estão positivas para poder fazer um cerco mais apertado e elucidar as pessoas que as medidas têm de ser cumpridas”, sublinhou.


Manuel Lopes

« PREV
NEXT »