Recortan el aforo permitido a los Comunistas para su "Festa do Avante" : de 100.000 a 33.333

 Polémica fuerte en Portugal, ante la decisión del Gobierno de autorizar la llamada "Festa do Avante", un superfestival de varios días, en una enorme finca, en la orilla sur del Área Metropolitana de Lisboa, en donde el Partido Comunista, organizador cada año del evento en el que recauda buen dinero, pretendía meter hasta 100.000 personas. El Gobierno portugués le ha reducido el aforo a un tercio, 33.333 personas máximo aforo diario para cada día de la "Festa do Avante", aún así, son más espectadores de los que caben en los estadios del Braga, Boavista, Académica de Coimbra, Leiría, Aveiro... donde, como es sabido, se deja jugar al fútbol pero no se permite afluencia de espectadores en cuantía alguna, por esto de la Covid.

De esos y de otros temas nos habla la postal al caer la tarde que, desde la Redacción del Jornal de Notícias hoy nos envía Hermana Cruz. Dice así :


Hermana Cruz

Pandemia cresce e reduz visitantes da Festa do Avante

Num dia em que é anunciado uma "ligeira tendência de crescimento" da pandemia, em Portugal, o PCP anunciou que decidiu reduzir para um terço a capacidade máxima de entradas diárias na Festa do Avante. Ou seja, passou de 100 mil para 33 mil pessoas.

Portugal registou, em 24 horas, dois mortos e 235 novos casos de covid-19, o que levou a ministra da Saúde a admitir uma "ligeira tendência de crescimento" da pandemia no país. Marta Temido aconselhou "prudência" mas assegurou que, apesar de tudo e do que se passa em países como Espanha, onde até já foi proibido fumar e público, Portugal mantém-se numa situação de "estabilidade".

Foi também por causa da pandemia que o PCP anunciou, esta sexta-feira, que, pela primeira vez, a Festa do Avante não vai funcionar com a lotação máxima de 100 mil visitantes. O PCP garantiu, em comunicado, que a capacidade total da Quinta da Atalaia vai ser reduzida para "um terço", ou seja, 33 mil pessoas.

"O número de presenças em simultâneo na festa será de um terço da capacidade licenciada (100 mil), assegurando que os 300 mil m2 postos à disposição dos visitantes significam que cada um pode usufruir de uma área superior à que está estabelecida para a frequência de praias e que, em regra, será o dobro daquela que está fixada para espaços similares (no caso, espaço ao ar livre)", lê-se no comunicado do partido liderado por Jerónimo de Sousa.

O problema do racismo, em Portugal, continua na ordem do dia, com o BE a considerar que as ameaças são "casos de policia", que "envergonha políticos" que "normalizam criminosos". Já a secretária de Estado para a Cidadania e Igualdade, Rosa Monteiro, defendeu que "é altura de uma política afirmativamente antirracista". Em causa, as ameaças a três deputadas e a ação junto à associação SOS Racismo, por uma autoproclamada "Nova Ordem de Avis".


Artículo Anterior Artículo Siguiente