Protección Civil portuguesa pide cerco a Fátima para impedir la entrada de peregrinos

Proteção Civil pede cerco a Fátima para impedir entrada de miles de peregrinos. Teme-se que fiéis não respeitem os apelos das autoridades civis e religiosas e se desloquem à Cova da Iria... así lo destaca hoy el Jornal de Notícias, de Porto.

Os apelos para que os peregrinos não se desloquem a Fátima nos próximos dias 12 e 13 de maio, onde as celebrações serão feitas sem a presença de fiéis, têm sido muitos e insistentes, mas o presidente da Comissão Distrital da Proteção Civil de Santarém (CDPCS) teme que os peregrinos "mais sedentos da proximidade aos locais de culto" arrisquem uma ida à Cova da Iria e, por isso, defende que deviam ser tomadas medidas de exceção para dissuadir concentrações indesejadas e desaconselhadas nas imediações do Santuário de Fátima.

"Sabemos que se estas coisas da fé podem mover montanhas, mais facilmente podem mover crentes sedentos da proximidade aos locais de culto. E se forem dez pessoas do Porto, cinco de Évora, três do Sardoal e dez de Lisboa, podemos ter milhares de pessoas na zona envolvente do santuário, sem que estejam montadas as habituais estruturas de apoio, agora empenhadas no combate à covid-19", disse Miguel Borges ao Jornal de Notícias..

Segundo o presidente da CDPCS, e também presidente da Câmara Municipal do Sardoal, as regras do estado de calamidade mantêm "o dever cívico de recolhimento no domicílio". No entanto, o desejo de proximidade a um local de culto onde neste período se reuniam habitualmente centenas de milhares de pessoas pode levar alguns peregrinos a querer arriscar a deslocação, mesmo sabendo que o acesso ao recinto de oração estará vedado e que as celebrações serão feitas sem a presença física de fiéis, por questões de saúde pública.
Neste sentido, Miguel Borges defende que o Governo devia "adotar medidas de exceção", como as que foram tomadas nos períodos da Páscoa e do fim de semana do 1.º º de maio, para dissuadir os peregrinos de se deslocarem a Fátima a 12 e 13 de maio e dotar as autoridades de ferramentas que permitam evitar eventuais concentrações de fiéis.

Apelo ao bom senso
É que mesmo sendo poucos os que insistam em estar próximo do santuário numa das datas mais importantes daquele templo mariano, "será uma minoria que pode deitar tudo a perder", alerta o autarca, reforçando o apelo para que as pessoas tenham "bom senso" e respeitem os pedidos das entidades religiosas e civis.
"Este é um período que nos pede muita calma e paciência. Se as pessoas são crentes, é importante que confiem em quem as aconselham" a ficarem em casa e acompanharem as celebrações pelos meios de comunicação social ou pelas plataformas digitais.
Tal como noticiou ontem o JN, este ano, a Cruz Vermelha, a Ordem de Malta, o Movimento da Mensagem de Fátima e outras organizações de apoio aos peregrinos decidiram não instalar os postos de assistência nos percursos mais utilizados pelos peregrinos a pé devido às restrições impostas pelas autoridades de saúde, pelo que quem decidir arriscar fazer-se ao caminho, além de não ter este apoio, pode deparar-se com dificuldades para conseguir um lugar onde dormir ou pernoitar.
"Não corram riscos desnecessários", implora, por sua vez, o padre Manuel Antunes, do Movimento da Mensagem de Fátima.

O modelo seguido este ano para as celebrações do 13 de Maio na Cova da Iria, devido às restrições sanitárias impostas pela pandemia da covid-19, tem sido seguido a par e passo pelo Governo, em estreita colaboração com a hierarquia da Igreja Católica e os responsáveis pelo Santuário de Fátima. Sobretudo depois da polémica gerada com as comemorações do 1.º de Maio e as declarações da ministra da Saúde, Marta Temido, que obrigaram o bispo de Leiria-Fátima a vir a público reafirmar o que já estava decidido: fazer a peregrinação sem a presença de fiéis. Uma decisão, de resto, apoiada pelo presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Procissão das velas
A tradicional procissão das velas realiza-se na noite de 12 de maio, depois do rosário, mas com um percurso mais reduzido, entre a capelinha das Aparições e o altar do recinto de oração.
Missa internacional
No dia 13, data que assinala a primeira aparição da Virgem Maria aos três videntes, será celebrada a missa internacional, a partir das 10 horas, no altar do santuário.
Memorial em vídeo
Na noite de 12 de maio, a companhia Vortice Dance irá estrear uma instalação de "videomaping" alusiva à pandemia no edifício dos Missionários da Consolata, com transmissão pela Internet.