Muere el piloto portugués Paulo Gonçalves durante la sèptima etapa del "Dakar"

O piloto português Paulo Gonçalves morreu durante a sétima etapa do Rali Dakar, na Arábia Saudita, em que participava em moto. A informação é avançada pela organização da prova.
O português de 40 anos morreu após uma queda ao quilómetro 276 da etapa deste domingo, detalha a organização, que acrescenta que o piloto foi encontrado pela equipa médica inconsciente e em paragem cardio-respiratória. O alerta foi dado às 10h08 horas locais, menos três em Lisboa, e foi enviado de imediato um helicóptero que chegou junto do piloto às 10h16.
Após sucessivas tentativas de reanimação, o óbito foi declarado no hospital de Layla, na Arábia Saudita, informa o jornal "Público". “Toda a caravana do Dakar envia condolências à sua família e amigos”, completa a organização.
Paulo Gonçalves participava pela 13ª vez no Rali Dakar, tendo alcançado o segundo lugar na edição de 2015 — o ano de 2006 foi a sua estreia na prova. Foi campeão do mundo em motociclismo todo-o-terreno em 2013 e vice-campeão em 2014. Ocupava a 46.ª posição das motas à partida para esta etapa.
"O Desporto e Portugal ficam mais pobres"
Os pilotos portugueses António Félix da Costa (Fórmula E) e Miguel Oliveira (MotoGP) lamentaram este domingo a morte do piloto. “Descansa em paz, guerreiro Paulo. O desporto e Portugal ficam hoje mais pobres. Até sempre, Campeão!”, escreveu Félix da Costa na rede social Facebook, acompanhando a publicação com uma fotografia do piloto de Esposende.
Já Miguel Oliveira disse que Paulo Gonçalves deixou “uma marca profunda na vida de quem teve o privilégio de se cruzar” consigo. “A tua coragem e valentia são exemplos para todos nós. DEP [Descansa em paz]”, escreveu na mesma rede social o piloto de MotoGP.
Também o presidente da Federação Internacional de Motociclismo (FIM), o português Jorge Viegas, prestou a sua homenagem ao piloto, dizendo que “o motociclismo português está de luto muito carregado”. “Não posso estar mais triste. Era um piloto que adorava e que conhecia desde pequenino. Era um exemplo como piloto e como pessoa”, começou por dizer Jorge Viegas à Lusa, revelando que foi acordado por David Castera, o director da prova, que lhe deu a notícia.
“Disse-me que o encontraram já morto. Foi em recta, o que é estranho. Não sabem o que aconteceu”, contou. O presidente da FIM aproveitou para “endereçar mais sentidos pêsames à família”. “O motociclismo português está de luto muito carregado. O Paulo era sempre uma alegria onde chegava e era muito boa pessoa”, concluiu Jorge Viegas.
Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, também já lamentou a morte do piloto português. Numa nota publicada na página da Presidência da República, o Presidente apresenta à família “as mais sentidas condolências” e diz que Paulo Gonçalves sempre foi um “digníssimo representante de Portugal”.
“Paulo Gonçalves morreu a tentar alcançar o sonho de vencer uma das mais duras e perigosas provas de rally do mundo, na qual foi sempre um digníssimo representante de Portugal, chegando a alcançar o segundo o lugar em 2015”, lê-se na nota.

Paulo Gonçalves, en foto divulgada por la organización del "Dakar"