El Braga, su doble enfrentamiento con FC Porto y la impresentable presión a los árbitros

Dose Dupla.

O melhor árbitro português da atualidade, Artur Soares Dias, teve um trabalho difícil em Braga, na receção minhota ao Porto, depois de uma pressão inaceitável das hostes portistas nos dias antecedentes ao jogo. Assim, no relvado verificou-se que o primeiro golo resulta de um penalti de um lado só, pois na outra área o VAR não interviria certamente, uma vez que em lance corrido o árbitro nada sancionou. A contestação portista ao longo do jogo chegou a roçar o obsceno, tanto dentro como fora do relvado, sempre com a finalidade de condicionar o trabalho do juiz da partida, que procurou sempre ser isento no seu trabalho.

A expulsão, justa, de Corona, ocorreu na segunda parte, depois de o jogador ter visto dois cartões amarelos que não deixaram margem para dúvidas, e deixou os portistas a jogar com dez elementos, quando venciam por 2-0, ainda com meia hora para jogar.

A recuperação do SC Braga aconteceu na ponta final do jogo, pois o primeiro golo aparece demasiado tarde e o golo da igualdade chegaria no quarto de seis minutos de desconto concedidos pelo árbitro. O primeiro empate bracarense na liga vale um pouco mais do que um ponto, devido ao contexto difícil em que foi alcançado, pois o adversário era valioso e raramente perde uma vantagem de dois golos. A forma efusiva como a equipa festejou o 2-2 mostra bem o espírito de união existente no seio do grupo, ainda que Carlos Carvalhal quisesse rapidez no recomeço do jogo, pensando na remontada total, que podia ter surgido no último lance do jogo, numa altura em que o árbitro terminou o encontro quando a bola seguia em direção à baliza e que o guarda-redes defendeu com dificuldade. Se esta bola tivesse entrado a polémica estaria instalada por muito tempo, por causa de uma decisão precipitada.

A continuidade na luta cimeira da tabela continua, o que é importante como farol condutor das ambições de um grupo de trabalho, que surge reforçado de modo progressivo, graças à rápida adaptação dos reforços.

Uma palavra especial para o argentino Nico Gaitán que pode ser um grande reforço de inverno, se não voltar a ter problemas físicos, uma vez que a qualidade é evidente, o que pode permitir coisas diferenciadas na equipa.

A Taça de Portugal proporcionou um jogo em dose dupla na Pedreira, frente ao Porto, num curto espaço de três dias, onde a rotatividade da equipa foi menor do que a esperada, tendo-se registado a saída de três titulares em relação ao jogo da liga. O resultado deixa tudo em aberto para a segunda mão, ainda que a missão se afigure agora mais complicada para o SC Braga, que chegou ao empate perto do fim, num jogo em que a indisciplina portista roçou a obscenidade.

Por fim, sugiro a necessidade de se parar para pensar em Portugal, sobretudo no que falam os responsáveis dos clubes sobre a arbitragem, sob pena de o futebol sair cada vez mais prejudicado, com a descrença e o afastamento das pessoas a ser uma realidade crescente. As entidades competentes devem agir com firmeza, pois não vale tudo para ganhar, como valeu naquela famigerada época 2009/2010, no chamado campeonato dos túneis, em que foi retirado um título de campeão inédito ao SC Braga.

ANTÓNIO COSTA

David Carmo, gravemente lesionado el miércoles; felizmente operado el viernes . (Montaje : scbraga.pt


No hay comentarios:

Publicar un comentario

Nota: solo los miembros de este blog pueden publicar comentarios.