Recinto fortificado romano hallado a 1.416 metros, en Arcos de Valdevez, genera expectación

Avanzan los trabajos arqueológicos en la Serra do Soajo, Arcos de Valdevez, tras hallarse un recinto fortificado en buen estado de conservación, que podría ser un recinto campamento militar romano de carácter temporal, estratégicamente situado, a caballo entre el Norte de Portugal y Galicia.

A condição especial de isolamento, longe das estradas e dos núcleos de povoamento da zona, facilitou a preservação de grande parte deste recinto fortificado e até de três das características portas de entrada originais. O seu paralelo mais próximo no Noroeste Peninsular é o acampamento Romano de Penedo dos Lobos, em Manzaneda (Ourense), investigado pela mesma equipa no Verão de 2018.
A intervenção é financiada integralmente pela Câmara de Arcos de Valdevez, envolvendo administrativamente outras entidades como as Juntas de Freguesia e Baldios de Soajo, Cabreiro e Gondoriz, bem como o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas.

Realizam-se esta semana trabalhos

arqueológicos no Alto da

Pedrada.

Este Sitio é um recinto fortificado,

em bom estado de conservação,

localizado em Arcos de

Valdevez, na Serra do Soajo, em

pleno Parque Nacional da Peneda-

Gerês.

O objectivo científico passa

por validar as hipóteses formuladas

pelo colectivo de investigação

romanarmy.eu, o que a

confirmar-se será o primeiro

acampamento militar romano,

de carácter temporário, localizado

no Norte de Portugal e perto

do territorio galego.

O recinto do Alto da Pedrada

está localizado a uma altitude de

1416 metros, o ponto mais alto

de todo o distrito. A condição especial

de isolamento, longe das

estradas e dos núcleos de povoamento

da zona, facilitou a preservação

de grande parte do recinto

fortificado e até de três das

características portas de entrada

originais.

Os trabalhos arqueológicos integram-

se no projeto Finisterrae,

financiado pela Comissão Europeia

através de uma bolsa individual

Marie Skłodowska-Curie,

liderada por João Fonte (Universidade

de Exeter).


O “Pico da Pedrada”, com os seus 1416 m de altitude e local mais elevado do Alto-Minho. Aqui com um ângulo de visão de 360º, a vista é soberba., Através do horizonte podemos distinguir a borda Atlântica com uma linha de escadas cujos degraus são as cumeadas das serras de Santa Luzia, Aguieira, Arga e Miranda, qual escadório em direcção do “trono” de Nossa Senhora da Peneda. Para Nascente/Sul, as altaneiras serras de Amarela e Santa Eufémia com as suas antenas, e os cumes das serras do Gerês com os Picos dos “Carris”, “Rocalva”, Roca Negra” e “Fonte Fria”, estes já em terras de Motalegre, conservando alguns ainda alguma neve. Mais perto para norte, e á nossa volta nas cercanias, a zona de “Lamas de Vez”, local semeado de Antas e Mamoas testemunho de civilização milenária, e nascente do rio com o mesmo nome. Bem junto lá no fundo a nossos pés, a Branda de Seide e os muros que convergindo formam o “Fojo do lobo do Soajo”, obra de engenharia popular executada ao longo de gerações para dar caça ao principal inimigo dos rebanhos e pastores. Para poente o “Vale do Ramiscal” santuário natural de uma enorme diversidade de vegetação onde predomina o carvalho e o azevinho, considerado como área de “Reserva Natural”, também um pouco atingido pelo grande incêndio. Na realidade não será fácil descrever a grandiosidade daquilo que a nossa vista alcança. (In trilhosviana.com

 
 
Artículo Anterior Artículo Siguiente