El cuerpo de Mario Coelho ya descansa para siempre en el cementerio de Vila Franca de Xira

El cuerpo sin vida del que fue célebre torero português, Mario Coelho, recibió cristiana sepultura en la tarde de este lunes, en el cementerio de Vila Franca de Xira (O Ribatejo). 
Mario Coelho fallecía en la madrugada del domingo, en el hospital de Vila Franca, víctima de un proceso infeccioso producido por la Covid-19. 
La familia del fallecido, de acuerdo a las normas propias del caso, en el estado actual de pandemia, han optado por llevar a cabo la inhumación en la intimidad familiar acompañándoles unicamente tres o cuatro personas ajenas a la familia, pero muy allegadas al torero fallecido. Eso sí, pasado un tiempo prudencial, se celebrará oportunamente un funeral solemne y un acto de homenaje, al que ya podrán asistir todos los interesados en estar presentes.
De todos modos, un grupo de aficionados taurinos dispuso para el atardecer de hoy, 19:00 horas, en Lisboa, la celebración de una misa en recuerdo del torero fallecido, en la iglesia de Campo Grande.

O jornalista Fernando Alves, autor do acreditado programa "Sinais" nas manhãs da TSF, escreveu hoje no site da sua rádio este artigo, a todos os títulos brilhante, sobre a figura de Mário Coelho, que aqui reproduzimos com a devida vénia
Nunca fui nem irei a uma tourada. Mas julgo saber por que é que Álvaro Guerra, o diplomata e escritor de quem Agustina tanto apreciava o romance "Raízes do Coração", disse certa vez: "Gostava de fazer da minha vida uma tauromaquia".
A família de Alves Redol acolheu um menino órfão que viria a ser o grande matador José Júlio. Redol foi uma vez com o amigo a Sevilha, mas não conseguiu entrar na Maestranza, tanta a angústia. Num outro Julho, faz agora 60 anos, escreveu na revista "Almanaque" uma carta a Federico Garcia Lorca na qual confessa: "Doem-me os toiros e não ando lá". É um texto comovente no qual o autor de "Gaibéus" nos abre a formidável arena da infância: "Brinquei aos toiros quando era menino. Fui cavaleiro por causa de um casaco de veludo lavrado que minha mãe me fez. Nenhum outro rapaz da minha rua se parecia assim tanto com um cavaleiro. Escarranchava-me num pau com uma cabeça de cavalo enfiada na ponta, fazia as cortesias com grande dignidade e arranjei certa arte e algum desembaraço a cravar farpas em canastras de sardinhas".
Ontem morreu outro grande vila-franquense, o bandarilheiro e matador Mário Coelho. Tinha 84 anos e era um nome maior da história do toureio. O jornal i foi o único que concedeu honras de capa a este enorme artista de quem Picasso fez o retrato. Foi amigo de Hemingway. Em Maio do ano passado revelou ao i passagens de uma conversa com o autor de "O Verão Perigoso", no qual Hemingway descreve a rivalidade entre Dominguín e Ordoñez). O escritor disse-lhe: "Eu dava tudo para pôr um par de bandarilhas como tu" e ele respondeu ao homem que ganhara o Nobel: "Eu dava tudo para escrever uma página como o senhor escreve".
Foi amigo de Ava Gardner que só era "feliz de noite". Era um grande maestro, um homem elegante e culto.
Nunca irei a uma tourada, repugna-me a crueldade para com os animais, mas sei que há temas que não se despacham com duas verónicas.
Sou mais sensível ao gesto de Picasso do que à reprovação de André Silva.
E incomoda-me o silêncio dos jornais de hoje sobre o desaparecimento de alguém com a dimensão de Mário Coelho. Por isso a minha vénia ao jornal i cuja capa é uma estocada num certo metenojismo nacional. Mário Coelho dissera, na última entrevista ao i: "Seria um homem extraordinariamente completo e feliz se tivesse tido uma morte na arena. Hoje, se tivesse uma oportunidade de um toiro me matar, eu deixava-o matar".Mas foi a covid que o matou.
A Presidência da República fez dele, há uns anos, Comendador da Ordem de Mérito. Aguarda-se, ao menos, uma nota, ainda que seca e oficiosa, das competentes entidades.



Fernando Alves/TSF

Mario Coelho, en una foto emblemática de su carrera

El periódico "i" dedica este lunes gran parte de su portada y las páginas centrales
a recordar la figura de Mario Coelho