Personajes. Catarina Bexiga, 25 años en la prensa taurina en Portugal

Há muito desvirtuada a máxima de que o toureio é um mundo exclusivo de homens, as mulheres ganharam presença em praticamente todos os sectores da tauromaquia. Uma delas, Catarina Bexiga, foi pioneira há 25 anos na imprensa taurina em Portugal, um meio onde ela é sem sombra de dúvidas, a maior referência nacional para todas as outras mulheres (e até homens) que lhe seguem o exemplo. 

No Dia da Mulher, entendemos dedicar-lhe espaço fazendo honra ao seu brilhante percurso como crítica taurina mas principalmente, como mulher num meio maioritariamente de homens.

CATARINA BEXIGA NA 1ª PESSOA

A minha afición nasceu devido... à afición dos meus pais. Mas também não é alheio o facto de ter nascido em Vila Franca de Xira e ter crescido em Arruda dos Vinhos. Duas terras cuja Festa de Toiros faz parte da sua identidade cultural.

25 anos como crítica taurina têm... por um lado, sido vividos com muita intensidade; por outro lado, se compararmos com os “gigantes” da critica taurina, não é nada! Só para referir dois exemplos. O Manolo Molés leva mais de 50 anos a escrever de toiros e o João Queiroz mais de 40. Mas são 25 anos de aprendizagem. 25 anos a ler e a ouvir quem sabe. 25 anos de crescimento. 25 anos a defender as minhas convicções. 

O mais difícil nesta profissão tem sido... as desilusões. 

E o que de melhor me deram estes 25 anos... Os momentos mais felizes da minha vida. Realizar-me como Aficionada de forma diferente, de forma mais directa. Mas também de conhecer muitas pessoas e de fazer muitos amigos. Inclusive, de fazer parte integrante de alguns eventos, etc. 

Ao longo destes 25 anos vejo que o toureio a cavalo... tem ganho estética, mas perdido emoção. Sobre esta questão, tenho por hábito recorrer sempre a uma expressão de D. Francisco Mascarenhas “hoje fazem-se coisas aos toiros que antigamente não se faziam; mas antigamente também se faziam muitas coisas que hoje não se fazem”. 

Sobre o toureio a pé em Portugal considero... constato com inquietação a nossa realidade. Gostava de vislumbrar outro caminho, de ver outras opções, outras soluções… Temos vários nomes que merecem ser reconhecidos fora do seu país.

As minhas referências na imprensa nestes 25 anos foram... quando comecei, a Revista Novo Burladero do João Queiroz; na rádio o Virgílio Palma Fialho; e na televisão o Maurício do Vale. Há 25 anos atrás, a Festa de Toiros tinha muito mais protagonismo na imprensa. 

Ser mulher neste meio taurino é... ser mais uma pessoa entre os demais.

Ter sido a primeira crítica Taurina portuguesa é para mim... não valorizar muito isso. Sempre ouvi falar na Marivi Romero, a primeira mulher a escrever de toiros em Espanha. Esse é o nome que tenho na cabeça. Mas sei que há quem me trate por “Marivi”.

Se pudesse mudar algo na nossa festa... mudava muitíssima coisa. Aliás, a nossa Festa de Toiros está cheia de vícios. Lembram-se, há uns anos atrás, aquando da elaboração do novo Regulamento do Espectáculo Tauromáquico, da questão das voltas à arena? O Regulamento entrou em vigor e continua tudo na mesma. 

O que mais me incomoda em praça é... a falta de seriedade e exigência. Porque o toureio se perde estas duas vertentes, perde importância! 

E o que mais me faz desfrutar... o bom Toureio! É o que me alimenta como Aficionada! 

A Novo Burladero para mim significa... um privilégio estar como colaboradora, acima de tudo, porque a NB fica na história da imprensa taurina! Onde tive a oportunidade de ouvir e aprender. Onde mais me exigiram, mas onde mais cresci!

A rádio será sempre... a primeira paixão! Onde comecei e onde desfrutei bastante! Foram anos da minha vida que jamais esquecerei. Ainda hoje tenho o hábito de ouvir entrevistas antigas. 

O animalismo e a perseguição anti-taurina é algo que... me preocupa pela sua mobilização e visibilidade junto da sociedade, sobretudo, porque se aproveitam da ignorância de muitas pessoas. 

Se não tivesse sido crítica taurina, então neste meio seria... Aficionada, sempre Aficionada. Ainda é assim que me sinto. 

O que falta aos agentes da nossa festa é... profissionalismo e exigência, até mais a exigência. A maioria, contenta-se com pouco! 

O melhor elogio que fizeram ao meu trabalho foi... gosto de a ler! 

A pior crítica... a minha. Sou a pessoa mais exigente comigo própria. Tenho sempre a noção de quanto podia ter feito melhor. Aliás, acho sempre que a ambição não deve ter tecto. 

A “imprensa taurina” de hoje em dia é... acima de tudo, pouco conhecedora. Mas há excepções… 

O que me dá mais gozo escrever é sobre... Toureio a Cavalo! Sobre o que, nós, portugueses, representámos para o mundo. E sobre o triunfo do nosso Toureio a Cavalo. 

Se os meus 25 anos dedicados à imprensa fossem um pasodoble seriam... aquele que mais gosto é o “La Puerta Grande” interpretado pela Banda de Música do Maestro Tejera, mas ainda não tenho louros para sair por ela… 

Se eu fosse toureira, seria... uma Figura do início do século passado! Da Idade de Oiro do Toureio! 

A personalidade Taurina que mais gostei de entrevistar foi... Sem desprimor para ninguém (porque entrevistei quase todos os nossos toureiros), mas foi o matador de toiros mexicano Rodolfo Rodriguez “El Pana” porque... a forma como me falou da sua história e do seu toureio, encantou-me. 

25 anos já estão cumpridos, conto cá andar... até Deus querer! Afición tenho, resistência também, paciência muita. Afición é o que me faz mover neste mundo. 

NATURALES, Correio da Tauromaquia Ibérica
Fotografia: Emílio de Jesus/Arquivo

Catarina Bexiga


Artículo Anterior Artículo Siguiente