La Justicia pondrá paz en el conflicto entre el Presidente de la Câmara de Póvoa de Varzim y los organizadores de una corrida de toros

En Póvoa de Varzim, el actual "alcalde" devenido en converso y radical antitaurino (que,  paradójicamente, antaño -como segundo de a bordo- aplaudía hasta con las orejas todas las decisiones de apoyo a la Tauromaquia por parte de su compañero de partido y anterior Presidente de la Cámara Municipal) quiere impedir como sea que se celebre una corrida de toros en lo que aún queda en pié (y que el quiere derribar cuanto antes) : la histórica plaza monumental de Póvoa de Varzim...
Una de las primeras medidas que el "alcalde" actual ordenó fue que se cargasen la barrera de la plaza de toros, como queriendo evitar así que se pueda celebrar allí corrida alguna. Este contratiempo, por los organizadores de la tourada prevista, no sería problema y sí sería soslayado llegado el momento. Pero el Presidente de la Câmara alegaba ahora que la plaza no tiene los permisos en regla para acoger una tourada... Total, que el asunto ha terminado en los Tribunales de Justicia y a la espera de que estos se pronuncien, la corrida prevista para el pasado 21 de julio ha sido aplazada por unas semanas... Los organizadores lo han anunciado días atrás, en este comunicado, recogido en el site "FarpasBlogue" :

Prazos legais da Justiça obrigam a adiar a corrida de toiros de amanhã na Póvoa de Varzim para Agosto, anunciam em comunicado conjunto o Movimento em Defesa das Touradas na Póvoa de Varzim, o Clube Taurino Povoense e a empresa Aplaudir. Bilhetes comprados são válidos para a próxima data

A tourada deste domingo, na Monumental Praça de Toiros da Póvoa de Varzim, foi adiada até ser conhecida a decisão do Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto, que irá pronunciar-se sobre a vontade inaceitável do autarca poveiro de proibir corridas de touros no município. A nossa expectativa é que a resposta seja conhecida já nos primeiros dias da próxima semana, momento em que anunciaremos a nova data da corrida. Lamentamos não ter sido possível uma decisão em tempo útil, que permitisse a realização da corrida de touros conforme o planeado, mas estamos convictos de que a vontade pessoal de um qualquer autarca nunca irá sobrepor-se às leis deste país.
Não são os técnicos da câmara, condicionados pela vontade do seu presidente, que determinam se a Monumental Praça de Toiros está em condições de receber a nossa Festa. É à IGAC – Inspeção-Geral das Atividades Culturais a quem compete realizar a necessária vistoria e atribuir a correspondente autorização para a tourada.
Agradecemos a todos os aficionados que têm sido excecionais na compra, reserva e nos contatos telefónicos sempre com palavras de incentivo e apoio à causa.
Quem já comprou bilhete para assistir à corrida de toiros, tem agora duas soluções:
1 - Conservar o ingresso até à divulgação da nova data da corrida; 2 - Dirigir-se ao local onde adquiriu o bilhete e solicitar a devolução do valor do mesmo.
Somos cidadãos de bem e respeitadores das decisões judiciais, sejam elas quais forem. Esperamos e acreditamos que a autarquia terá a mesma humildade e vai acatar o que for determinado. Certo é que não vamos abdicar nunca da nossa liberdade. Honraremos a memória de todos os poveiros e vamos defender o nosso património, a tauromaquia como representação da Cultura e identidade de Portugal. Trata-se apenas de um compasso de espera até atingirmos o nosso grande objetivo: a realização de touradas na Póvoa de Varzim.

Movimento em Defesa das Touradas na Póvoa de Varzim
Clube Taurino Povoense
Empresa Aplaudir




Copyright © RÍAS BAIXAS TRIBUNA. Designed by OddThemes