La TAP dio perjuicios de 118 millones en el 2018 pero sus directivos dicen que el futuro de la compañía aérea no está comprometido

La transportadora aérea portuguesa, TAP, hizo números rojos en el 2018. Las cifras preocupan si la tendencia se sostiene en este 2019. Y sobre ello, aunque privatizada, algo tendrá que decir el Gobierno portugués, pues este déficit le señala en cierta responsabilidad a la que no puede sustraerse. Veremos como evoluciona el asunto en próximo tiempo.

O grupo TAP registou, em 2018, um prejuízo de 118 milhões de euros, valor que compara com um lucro de 21,2 milhões de euros registado no ano anterior. "Tivemos um prejuízo líquido consolidado de 118 milhões de euros [...]. Os resultados vão além do prejuízo, já que a empresa não causa impacto somente através do seu resultado financeiro", disse o presidente da Comissão Executiva da TAP, Antonoaldo Neves, que falava aos jornalistas, em Lisboa, esta sexta-feira.
A receita do grupo passou de 2978 milhões de euros em 2017 para 3251 milhões de euros em 2018, traduzindo-se num aumento de 273 milhões de euros, mais 9,1% face ao período homólogo.
"O ano de 2018 foi difícil para a TAP quer em termos operacionais, quer em termos económicos e financeiros, mas foi um ano que não comprometeu o nosso futuro. Um ano que nos permitiu continuar a criar raízes para que o plano estratégico possa ser implementado como previsto", indicou, por sua vez, o presidente do Conselho de Administração da TAP, Miguel Frasquilho.

Copyright © RÍAS BAIXAS TRIBUNA. Designed by OddThemes